Como você sabia que estava pronto para se casar

Um novo Guia de Fornecedores com tudo o que você precisa para casar! 5 Dicas para economizar no seu casamento ... Se um dia se divorciarem, você ficará com a geladeira e pronto. Por outro lado, se ele compra o fogão, apenas ele tem direito de ficar com o fogão, e vc não. ... se estes bens irão para o conjuge vivo e como proceder se isto ... * Se você não estiver pronto para assumir tal compromisso, então realmente não está pronto para se casar. (Note Eclesiastes 5:4, 5.) Mesmo os já casados talvez precisem avaliar melhor a importância do compromisso para o casamento durar. Examine a si mesmo. Você, sem dúvida, consegue alistar as qualidades que deseja que o cônjuge tenha ... Não estava pronta para ter um marido, um filho. Eu não sabia o que era o casamento.” Algumas vezes, os ferimentos podem ser de natureza emocional, exagerado pela exposição das meninas à violência. Freshta (nome fictício), 12 anos, do Afeganistão, sofreu com uma doença pós-parto após se casar com um homem de 60 anos. Eu falei que vinha visitar meu namorado por 3 meses, então o oficial pediu pra ver passagem de volta e nada mais. Fica a seu critério, mas se falar que vai se casar pode ser que encrenquem. Se você tem passagem de volta, seguro e uma carta convite do seu noivo, tudo com as datas corretas pros 3 meses, pode falar que vai só visitá-lo. Na verdade só descubri se tava pronta mesmo depois que casei rsrsrs. Mas no fundo era o que eu queria pois estava em transe de tanto amor e não aguentava mais ficar despedindo de meu namorado ( que hj é meu atual marido rsr) então resolvemos casar mas antes resolvemos fazer um teste aonde moramos por um ano juntos 'enquanto noivos' e só depois oficializamos de verdade (igreja e cartório ... Casamento não é para você nem é a respeito da sua felicidade. Se você pensa que o casamento é para fazê-lo feliz, está enganado. Depois de estar casado há apenas um ano e meio, recentemente cheguei à conclusão de que o casamento não é para mim. Agora, antes de começar a fazer suposições, continue lendo. Conheci minha esposa na escola quando tínhamos 15 anos. Éramos amigos há ... Qiao Yin sabia que Qi Zheng era bom para ela. Quando ele estava chateado e não falava, ela se sentia muito culpada e não podia deixar de se perguntar: “Como é que não estou satisfeita com um namorado tão bom?” Ela não queria machucá-lo mais, mas também não estava disposta a levar uma vida mediana. Se ele fala com você prometendo que quer fazer planos para o futuro, casar, ter filhos etc. Então pode ter certeza que ele não tem fobia de compromisso e você tem uma chance aqui. Esse tipo de homem quer sim se comprometer. Ele pode estar apenas com medo! Sim, homens que não possuem fobia de compromisso também têm medo de se comprometer. Após se arrumar se maquiar arrumar o cabelo, estava pronta para sair, 06:00, como prometido seu namorado chega para te buscar, logo você desceria, e ele te elogiava dizendo que estava mais linda do que no dia que ele te conheceu (anos atrás na escola). Logo ele fecha a porta do carro e entra na do motorista, ele te levava para jantar

Título: "O casamento que deu errado"

2020.06.25 13:12 4nders0n Título: "O casamento que deu errado"

olá luba ( Seu lindo ), editores, possível convidado, papelões e turma que está a ver. Hoje vou contar a história de quando um "aminimigo" meu resolveu se casar ( Obs: ainda estávamos entre o 4° e o 6° ano ) então, vamos lá. Lá estávamos nós, em meados de 2017-2019, quando um "aminimigo" meu ( vou chama-lo de carls ) pensou "hmmmmmm quero casar". Então ele chamou uma amiga ( vou chamá-la de forsus ) para se casar com ele, e ela aceitou. O casamento ia ser dali em alguns dias e os preparativos não eram lá essas coisas, os "noivos" estavam animados para o casamento. Com tudo isso em mente só faltava duas coisas 1°quem ia na "festa" ( padrinho, madrinha, etc. ) e 2° onde iria ser.Então, eles resolverem chamar um amigo meu ( vou chama-lo de françus ) para ser o padre uma amiga da "noiva" a( vou chama-la de gablus ),para ser a madrinha e EU para ser padrinho, algo que recusei na hora pois sabia que aquele casamento ia dar cococo. Enfim, era dia do casamento, lá estava o noivo esperando pela noiva, no corredor da escola onde ia ser o casamento, o padre estava lá e a madrinha Também, quanto ao padrinho ( que era para ser eu ) era meu amigo ( vou chama-lo de larls ), estava tudo pronto para começar. Então o françus disse: "carls, você aceita forçus como sua legítima esposa?". Carls: "aceito" e eu estava pensando: ''a meu Deus isso não vai dar certo" Padre: "forçus, você aceita carls como seu legítimo esposo?" Forçus:" então.... não, isso não é pra mim, eu não te amo, só queria chamar atenção para o garoto que eu realmente gosto, desculpa carls" Todos ficaram boquiabertos com a situação, então carls cheio de ódio pegou as alianças ( dos pais dele que ele lavara para escola ) e jogou uma na rua, e outra do outro lado da cerca, e foi aí que a merda realmente aconteceu. Nosso ( agora ) ex-coordenador apareceu do nada no meio do casamento, ( ele era conhecido por ser um dos caras mais bonitos e fodões da escola ) e disse: "um passarinho me contou que ia ter um casamento aqui, mas eu não tô vendo as alianças, onde elas estão carls?" nesse momento todos que estavam presentes sairam correndo desesperados, menos carls que avia sido pego pelo coordenador e sabia que se ferrara mais uma vez. Então carls disse: "se quer as alianças, você vai ter que achar" então o coordenador disse: "tá me desafiando muleque? ok, eu vou achar elas de um jeito ou de outro". Foi dito e feito, ele procurou e achou, depois disso eu ( com toda a minha criatividade ) peguei meu microfone imaginário e comecei a "brincar" de repórter. Daí o coordenador procurou a ex-noiva e quando achou disse:" carls, forçus, vocês vão ser marido e mulher na minha sala" pegou os dois e levou pra sala dele. Forçus saiu apenas com uma advertência por ter desistido do casamento, já carls,saiu com uma suspensão e uma surra da mãe, que foi chamada na escola. É isto lubixco. (edit: o dedo duro nunca foi achado...)
submitted by 4nders0n to TurmaFeira [link] [comments]


2020.02.15 00:17 aldelator Eu sou um Delator?

Olá Reddit. Espero que quem esteja lendo isso esteja muito bem.
Eu tenho relatos de alguns eventos que eu considero interessante compartilhar com vocês. É algo que já faz um tempo que vem martelando na minha cabeça. Espero que gostem. Isso não é ficção, é um fato real que aconteceu e eu não sei como reagir a isso.
Saindo do Ensino Médio, eu tinha em mente seguir a profissão de *****. Naturalmente, precisaria fazer uma Faculdade. Com os conselhos dos meus pais, eles me orientaram a fazer o curso que eu queria na faculdade *****. O que eu não sabia, era que esse local era mantido por uma instituição que por fins de entretenimento, eu vou me referir como Umbrela Corporation. Pois bem. Eu não tinha muita noção do campo de trabalho da minha profissão e muito menos do mercado de trabalho para essa profissão. Entrei para esse mundo pois era o meu sonho de infância e devo dizer que estou bem satisfeito em ter escolhido essa profissão. A minha faculdade era um local ótimo, acolhedor, com muitas pessoas dispostas a te ajudar e orientar. Com o passar do tempo, cada vez mais este lugar foi crescendo em meu coração e eu já me referia a Faculdade como Segunda Casa.
Eu me considero um bom aluno. Sempre me comportei corretamente, tirava notas boas e fiquei sem dependências. Os professores me adoravam e eu era muito querido. Os únicos problemas que tinha, eram as tradicionais rixas do período noturno com diurno e vice-versa. Esta faculdade, tinha um grupo estudantil liderado por alguns alunos, que eram considerados como modelos dentro da faculdade. Eu mesmo fui convidado e participei de uma reunião desse seleto grupo. Não fui em outras porque não aguentava os puxa sacos do professor que era responsável pelo grupo. O que os alunos deste grupo têm em comum, é o fato de todos, ostentar com o maior orgulho a bandeira da Faculdade e da Umbrela Corporation. Vestiam o uniforme em ocasiões sociais fora do horário escolar, postavam sobre o lugar nas redes sociais falando o quão maravilhoso era estudar no local x.
Nunca fui de ficar fazendo propaganda e sempre achei esse amor estranho e um pouco sei lá, estranho. Mas mesmo assim eu adorava o lugar e gostaria muito de fazer a minha carreira dentro da Umbrela Corporation. Era o meu sonho. Passei a notar, que os alunos do grupo já mencionado, recebia alguns benefícios como bolsas de estudo e até intercâmbios. Isso causava um mal-estar entra aqueles que não eram contemplados e aqueles que eram. Surgiram as acusações de puxa saquismo, favorecimento, brigas e etc. devo dizer que fui conivente com a situação pois não tive voz ativa nesse debate (e também fui um dos contemplados pela bolsa de estudos).
O fato, é que no último ano da faculdade eu fui escolhido para trabalhar na Umbrela Corporation. Ou seja, o meu sonho tolo seria realizado. Fiz a entrevista, e chorei quando não soube que seria ter uma vaga para mim, visto que eu já estava no final do curso, e eles preferiam dar prioridade para quem tinha mais tempo pela frente. Aqui eu vou salientar o quão eu estava emocionalmente investido neste lugar. A faculdade era a minha vida e a minha casa, trabalhar na Umbrela e ser um Executivo da empresa era o meu sonho. Eu já trabalhava em um outro lugar muito bom, porém era um contrato de 2 anos sem a possibilidade de efetivação. Eu estava preocupado e não sabia o que fazer porque tinha medo de terminar a faculdade e ficar desempregado (mesmo tendo boas indicações, bom currículo e bons precedentes).
O alívio veio quando recebi um e-mail dizendo que havia sido selecionado! Que alegria! O começo da carreira no lugar que eu amava. Logo na primeira reunião eles já apresentaram o plano de carreira e eu fiquei muito contente com a possibilidade de subir na corporação. Isso já fez eu odiar o lugar onde anteriormente eu tinha trabalhado (que não apresentava essa opção de subir). Nos primeiros meses a minha sensação era de que eu trabalhava no melhor lugar do mundo. Reuniões constantes, sempre perguntavam a minha opinião e o que eu achava, diferente do meu trabalho anterior, onde só era dito o que eu precisava saber e pronto. O que eu passei a notar, era a insatisfação de alguns funcionários que já estavam dentro da empresa a algum tempo. Sem falar no fato de que eles pareciam muito cansados. Entendam que eu era estagiário, e obviamente e fazia uma carga de 30 horas semanais. Esses funcionários trabalhavam 44 horas, sem mencionar o fato de que havia escalas para Domingo. Eu ignorava esses relatos pois eu estava contente e fiquei mais contente ainda quando alguns colegas de sala entraram na empresa também.
O trabalho era puxado e com o passar do tempo isso começou a refletir na minha saúde de uma maneira geral. Eu estava de manhã, e começava a trabalhar no começo da tarde. Então eu saia da faculdade e ia para a Umbrela. Só ia para a casa para dormir. Comecei a apresentar sintomas de Síndrome de Burnout. Não fiz muito alarde disso pois temia ser taxado como fraco ou incapaz. Fazia o meu melhor sempre, e fui ganhando certo destaque. O meu desejo era ser efetivado na empresa, porém novamente comecei a notar uma certa preferência por aqueles alunos-propaganda. O coordenador gostava de mim porque eu era bem crítico e sempre tinha um posicionamento assertivo nas decisões. Costumava a apontar os erros da empresa e onde ela poderia melhorar. Com isso fiquei incumbido de achar soluções para esses problemas e relatar aos superiores, algo que me deixou contente (e sobrecarregado)
As coisas começaram a ficar estranhas quando várias demissões seguidas foram acontecendo dentro da Umbrela. Pessoas pedindo para sair, outras sendo mandadas embora sem aparente justificativa. Eu sei que demissão é algo normal dentro de uma empresa, mas eu percebia que os Coordenadores tentavam maquiar a situação. Porque fulana foi fazer Medicina por isso ela saiu. Foi a justificativa de uma demissão. O que não faz total sentido. A pessoa se forma dentro do lugar, consegue trabalhar lá e do nada vai tentar outra profissão? Pode até ser possível, mas pouco provável.
Comecei a suspeitar ainda mais quando reparei que um dos Chefes do lugar, lançava olhares, devo dizer, lascivos? Nojentos? Com certeza nojentos para uma das minhas amigas que era muito bonita e muito simpática, enquanto ela conversava com um Coordenador. Foi horrível. Parecia que ele queria engolir a minha amiga viva. Tudo ficou pior quando ela foi cumprimentar ele. Eu já tinha notado esse tipo de comportamento antes entre alguns Supervisores, mas nada nesse nível. A verdade é que esse tipo de coisa por mais absurdo que soe, é considerado normal dentro do meu ramo.
Percebi que os Coordenadores encorajam a Doutrinação dos alunos da faculdade que entravam dentro da Umbrela, recompensando-os enormemente. Inclusive havia um grupo de alunos que durante as aulas, ostentavam com orgulho o uniforme da empresa.
Eu estava me sentindo preso. Queria continuar os estudos e fazer pós-graduação na Capital para expandir meu Networking, porém fui coagido ao meu Coordenador a continuar estudando na faculdade. O que eu achei estranho. Pensei que eles queriam funcionários empoderados e cada vez mais qualificados. Com o passar do tempo e essas situações acontecendo eu estava ficando cada vez pior. A gota da água foi quando tive uma crise de ansiedade por causa do estresse. Acabei pedindo para sair da Empresa. E aí que as coisas ficaram mais estranhas.
Meu coordenador tentava tirar respostas de mim do porquê de eu sair e se recusava a assinar os papéis. Eu contei a ele que saí pois estava tentando ser concursado e queria tempo para estudar. Algo que ele desaprovou. Ele disse que não valia a pena estudar para concurso e que eu deveria repensar esta decisão, pois a Umbrela proporcionava tudo para o meu crescimento e que seu saísse iria ser difícil conseguir um cargo bom igual o que eu tinha.
Ele estava certo e errado. Entendam que a Faculdade e a Umbrela são MUITO influentes na minha cidade, então eles têm os seus braços em tudo. Eu sabia que a possibilidade fora dessa empresa, era ter um emprego mal remunerado com uma carga horária grande. Por isso eu queria partir para Concurso Público. Queria estar livre daquele lugar. No final ele acabou assinando meu desligamento, mas ainda com dúvidas, ele comentou com o diretor da faculdade que veio conversar comigo. Como eu era bastante querido por todos, o meu súbito desligamento foi mal recebido, e os Coordenadores e Supervisores tentaram maquiar a situação (como sempre faziam). Para o meu Diretor eu contei tudo que havia testemunhado e visto e ele entrou em choque. Ele disse que eu fiz a coisa certa em sair, para poder melhor meus pensamentos. Os 2 últimos meses na faculdade foram horríveis.
Parecia que o lugar que eu tanto amava, estava me rejeitando. Me segregando. As pessoas olhavam para mim com pena e isso fez muito mal para mim. Com muita ajuda da minha família consegui dar a volta por cima.
Com o passar do tempo, os meus temores sobre a política da empresa se tornaram cada vez mais certos. Os alunos queridos que faziam propaganda, foram contratados para a Umbrela, e o restante que não foi, ficou à mercê das indicações do meu Coordenador. Eu percebi que essas indicações eram para lugares muito piores que a Umbrela, e que assim que surgisse uma vaga dentro da empresa, essas pessoas iriam correndo de volta a Umbrela, como se fosse o melhor lugar do mundo. A insatisfação dentro da empresa era grande, mas eles tentavam de tudo para ficar como bons moços.
Resumindo, esta empresa utilizou sua influência para dominar a cidade. Os melhores alunos entram dentro da empresa, mas são limitados a questão ao seu crescimento profissional. Não podem fazer cursos e especializações fora da Faculdade. E quem não entra na empresa é considerado como lixo e fica com subempregos, má remuneração e etc...
Eu me senti muito mal em sair, pensando que eu estava errado. Mas eu notei que fiz a coisa certa em sair. Hoje estou noivo e sou concursado público. Vou me casar em setembro.
Escrevi esse relato para incentivar as pessoas para se atentaram a Doutrinação dentro de seus locais de trabalho. LIBERTEM-SE! Busquem o melhor para suas vidas e não o bem de uma empresa. Se estiver sentindo mal ou sobrecarregado, não esconda, não abafe, FALE e LIBERTE-SE!
submitted by aldelator to desabafos [link] [comments]


2020.01.04 03:14 altovaliriano O Leão na teia da Aranha

Texto original: https://warsandpoliticsoficeandfire.wordpress.com/2016/02/05/heirs-in-the-shadows-the-young-lion/
Autores: GoodQueenAly; @BryndenBFish
Título original: Heirs in the Shadows - The Young Lion

Introdução

Tyrek Lannister pode ser considerado pelos leitores pouco mais que um personagem terciário em As Crônicas de Gelo e Fogo. A avaliação não é irracional: nem mesmo mencionado pelo nome no primeiro livro, aparecendo apenas duas vezes antes de seu misterioso desaparecimento na revolta violenta em Porto Real em A Fúria dos Reis , o jovem Tyrek merece pouco mais do que uma nota de rodapé entre seus parentes Lannister mais proeminentes, muito menos no grande elenco de personagens. Caso notado, ele pode ser lembrado apenas como uma vítima, no mesmo plano que seu primo Willem: um infeliz peão das ambições dinásticas de Lannister, um inocente assassinado pelo povo revoltado da capital.
No entanto, Tyrek desapareceu tão completamente - e tão misteriosamente - que, afinal, seu "simples" desaparecimento pode não ser tão simples. Em vez de ser um dos muitos corpos retirados das ruas nos dias e semanas após o tumulto, Tyrek pode estar vivo e bem (ou pelo menos relativamente bem). Ainda mais, Tyrek pode estar esperando para fazer um reaparecimento dramático em Westeros, enquanto é instruído e preparado por um improvável "aliado". Quem iria querer o jovem primo Lannister e o que poderia estar reservado para ele no futuro?
[...]

Apresentando o Peão

Tyrek Lannister nasceu por volta de 286 dC, o único filho de Sor Tygett Lannister e sua esposa Darlessa Marbrand. Sor Tygett era o terceiro filho de Lorde Tytos Lannister, um irmão mais novo do futuro Lorde Tywin e Sor Kevan. Como os dois irmãos mais velhos de Tygett se casaram e tiveram filhos antes do nascimento de Tyrek, não houve grande pressão sobre esse terceiro filho para se casar e procriar também (embora ainda não saibamos quando Tygett e Darlessa se casaram).
Em uma família mais pobre, Tygett poderia ter sido levado para a Muralha, a Fé ou a Cidadela para reduzir os estoques familiares, mas os Lannisters eram ricos o suficiente para sustentar as famílias dos filhos mais novos. Tygett também não teve que abaixar os olhos para encontrar sua noiva: Darlessa era uma Marbrand, uma casa vassala respeitável dos Lannisters (e parente da mãe de Tygett, Jeyne Marbrand).
Na época em que o bebê Tyrek nasceu, ele era possivelmente o nono na fila de Casterly Rock (dependendo se seus primos Martyn e Willem Lannister e Joffrey Baratheon já haviam nascido e se o pai de Tyrek já havia morrido). Ainda que outros pretendentes tenham enfrentado probabilidades menores (Aegon V pode ter sido o décimo primeiro na fila no momento de seu nascimento), a possibilidade de um recém nascido sentar-se no assento dos Reis do Rochedo parecia muito improvável.
Ainda assim, o jovem Tyrek não teve nenhuma sorte. Como Lannister (e especialmente Lannister do Rochedo), neto da linha masculina de Lorde Tytos, Tyrek nunca teria falta de dinheiro ou influência. De fato, sendo a rainha uma Lannister (e havendo um herdeiro “meio”-Lannister da idade de Tyrek), carregar o nome de "Lannister" faria com que até um membro da família de status relativamente baixo como Tyrek ganhasse importância.
Seu pai, Tygett, recebeu alguns elogios durante a Guerra dos Reis Ninepenny: embora muito jovem - possivelmente até mais jovem do que Tyrek quando desapareceu - Tygett matou um homem em sua primeira batalha e depois matou um cavaleiro da Companhia Dourada. Portanto, Tyrek descendia de uma safra de boa qualidade das Terras Ocidentais e, pelo menos, poderia ter esperado se casar com uma donzela nascida nas Terras Ocidentais quando tivesse mais idade.
A rainha Cersei, no entanto, tentaria elevar seu jovem primo Lannister ainda mais do que ele poderia ter imaginado:
Não conseguiu deixar de reparar nos dois escudeiros: rapazes bonitos, loiros e bem constituídos. Um tinha a idade de Sansa, com longos cachos dourados; o outro teria talvez uns quinze anos, cabelos cor de areia, um fio de bigode e os olhos verdeesmeralda da rainha.
– Aqueles rapazes – Ned lhe perguntou– são Lannister?
Robert assentiu, limpando as lágrimas dos olhos.
– Primos. Filhos do irmão de Lorde Tywin. Um dos mortos. Ou talvez o vivo, agora que penso nisso. Não me lembro. Minha esposa vem de uma família muito grande, Ned.
Uma família muito ambiciosa, Ned pensou. (AGOT, Eddard VII)
Ned foi perspicaz em sua conclusão: a rainha Lannister teve bastante iniciativa no aprofundamento das relações dos Lannister na corte (uma característica que mais tarde ela criticaria na noiva de seus filhos, Margaery Tyrell). Consequentemente, Cersei convenceu o rei Robert a nomear o jovem Tyrek seu escudeiro, junto com o primo de ambos, Lancel (o filho mais velho de Kevan Lannister).
Não se sabe quando Tyrek começou a servir o rei, embora provavelmente não tenha sido mais de alguns anos (se muito) antes do início de A Guerra dos Tronos. Para efeito de comparação, os dois Walders em Winterfell começaram a servir Ramsay Bolton por volta dos oito ou nove e Edric Dayne a Beric Dondarrion aos dez. Assim, Tyrek deveria estar com Robert há cerca de três anos antes da morte do rei, no máximo.
Quanto mais alto o cavaleiro ou senhor, maior seria a honra de ser escudeiro (a razão pela qual, entre outras concessões, Walder Frey exigiu que seu filho Olyvar se tornasse escudeiro do então Lorde Robb Stark), e nenhuma honra maior poderia ser concedida a um menino Westerosi que ser escudeiro do próprio rei.
A nomeação como escudeiro do rei poderia ser o começo de uma carreira na corte para Tyrek, semelhante ao começo cortês do tio Tywin como um pagem para Aegon V. O príncipe Rhaegar, afinal, transformou seus escudeiros, Myles Mooton e Richard Lonmouth, em firmes aliados e amigos. Se Tyrek provasse ser um espadachim tão talentoso quanto seu pai, poderia se tornar o mestre de armas da Fortaleza Vermelha (uma posição que Tywin realmente tentou, mas falhou, em garantir para Tygett). Com um primo na Guarda Real, uma capa branca poderia até estar no futuro de Tyrek (de fato, uma colocação na Guarda Real poderia ter servido para remover cuidadosamente um excesso de Lannisters do Rochedo). Dyanne Dayne pode ter assegurado um casamento real devido à sua nomeação para a corte da rainha Mariah Martell. Um noivado com a princesa Myrcella provavelmente era impossível para um mero primo Lannister, mas na corte Tyrek não careceria de conexões poderosas - enquanto os Lannister permanecerem no poder.
No entanto, também pode ter havido um lado mais sombrio em Tyrek ter se tornado escurdeiro - um não explorado nos livros, mas que, no entanto, é importante considerar à luz do possível papel de Tyrek no futuro. Espera-se que escudeiros sigam seus cavaleiros em todos os lugares, e o exemplo de Justin Massey demonstra que Robert poderia levar seus escudeiros a lugares estranhos:
Massey quer a princesa selvagem também. Ele certa vez serviu meu irmão Robert como escudeiro e adquiriu o seu apetite por carne feminina. (ADWD, Jon IV)
Esse "apetite por carne feminina" quase certamente incluía os bordéis de Porto Real que Robert visitava com alguma frequência. Tyrek era um pouco jovem demais para participar da maneira que Stannis disse que Justin Massey fazia (ou mesmo da maneira que Lancel poderia ter feito, se incentivado por Robert), mas ele não teria que passar tempo com nenhuma prostituta para observar algo muito mais perigoso que os adúlterios do rei.
Os leitores sabem que Robert tinha pelo menos um bastardo de uma prostituta de Porto Real: a bebê Barra, nascido de uma jovem prostituta de Chataya. A bebê, como todos os bastardos conhecidos de Robert, tinha o cabelo preto de seus antecedentes Baratheon - um fato que Mindinho não deixou de notar, o fez levar Eddard para ver a bebê e revelar a conspiração incestuosa dos Lannister.
Certamente, seria demais supor que Tyrek, um garoto de 12 anos, tivesse descoberto que os verdadeiros filhos bastardos de Robert tinham aparência de Baratheon, e que seus primos em primeiro grau eram, na verdade, bastardos nascidos do incesto de Lannisters. No entanto, Tyrek talvez tenha visto demais, mesmo que ele próprio não tivesse juntado as peças do quebra-cabeça. O escudeiro mais jovem do rei provavelmente viu em primeira mão os filhos bastardos de cabelos pretos do rei (com nove bastardos não registrados do rei, parece provável que pelo menos um outro além de Barra e Gendry tenha nascido onde o rei passava a maior parte do tempo: a capital) e, presumivelmente, era amigo de confiança e companheiro dos filhos de aparência Lannister da rainha. Se esse conhecimento fosse posto a disposição de um indivíduo mais ardiloso do que o inocente Tyrek, o garoto poderia se tornar uma testemunha útil na derrubada do regime de Baratheon-Lannister.
No entanto, Tyrek não precisaria servir Robert como escudeiro (ou segui-lo em suas aventuras lascivas) por muito tempo. Em 298 dC, Robert morreu – aparentemente de um acidente de caça, mas de fato por um meio-assassinato criado por Cersei para impedir a descoberta de seu incesto. O veículo que ela usou foi o primo de Tyrek e também escudeiro, Lancel Lannister.
Aparentemente, Tyrek não acompanhou o rei em sua última caçada, mas ele pode ter ouvido trechos da trama via Lancel. Seu status duplamente íntimo - como primo em primeiro grau e companheiro escudeiro (os dois parecem ter sido os únicos escudeiros de Robert no momento de sua morte) - dão a Tyrek maior potencial de conhecer os fatos por trás do assassinato de Robert - fatos que também serviriam para derrubar Linha real de Cersei.
Naquele momento, Tyrek era simplesmente um antigo escudeiro real, então alocado na corte de Joffrey sem qualquer objetivo maior. Os eventos, no entanto, logo perturbariam a existência relativamente pacífica de Tyrek e o empurrariam para uma tempestade de caos político - e ambição secreta.

Um Desaparecimento Estranho

Para acrescentar a todo o mistério que cerca seu desaparecimento, em A Fúria dos Reis, Tyrek é visto apenas uma vez:
Lorde Gyles tossia, enquanto o pobre primo Tyrek vestia sua capa de noivo de pele de esquilo e veludo. Desde seu casamento com a pequena Senhora Ermesande, três dias antes, os outros escudeiros tinham começado a chamá-lo de “Ama de Leite”, perguntando-lhe que tipo de cueiros sua noiva usara na noite de núpcias. (ACOK, Tyrion VI)
Longe de ser a noiva filha de um glamuroso cortesão que Tyrek esperava que sua posição de corte lhe desse - ou mesmo da donzela das Terras Ocidentais que ele poderia ter antecipado em circunstâncias normais - o "primo pobre" de Tyrion fora casado com Ermesande Hayford. Dinasticamente, a combinação foi agradável: a Casa Hayford era uma respeitável dinastia das Terras da Coroa, com pelo menos uma casa de cavaleiros juramentada. Sua atual dama, Ermesande, era a última de sua linhagem, o que significa que as terras e rendas de Hayford seriam graciosamente transferidas para os Lannisters.
Infelizmente para Tyrek, Ermesande também era um bebê. O novo lorde de Hayford teria que esperar até os vinte e poucos anos para contemplar a consumação de seu casamento. No entanto, se era pessoalmente humilhante ser casado com uma garota ainda não desmamada, Tyrek não tinha instância para reclamar. Ele, como todos os seus contatos Lannister, era um peão em um grande jogo de política dinástica e se casaria na forma que pudesse trazer maior vantagem à Casa Lannister.
Tyrek, no entanto, não viu sua noiva infantil amadurecer. Em 299 dC, Tyrion arranjou o casamento da prima de Tyrek, Myrcella, com o príncipe Trystane Martell, de Dorne. A corte fez um evento para acompanhar Myrcella até as docas para vê-la partir para Lançassolar, e Tyrek - como primo da princesa e também representante dos interesses de Lannister - juntou-se à família real, cortesãos, guardas reais e até o Alto Septão na procissão. Um homem na corte, no entanto, estava visivelmente ausente: o mestre dos sussurros, Varys.
A cidade estava em um clima nefasto. A Guerra dos Cinco Reis havia isolado a Capital dos tradicionais celeiros de Westeros. Com as Terras Fluviais em chamas e a Campinas firmemente apoiando de Renly Baratheon no ínico, Porto Real teve que confiar em Rosby e Stokeworth para trazer suprimentos, e as restrições resultaram em fome entre as classes mais pobres da cidade. O que o jovem rei Joffrey não possuía em charme e tato político, mais do que compensava em crueldade. Tyrion, sua Mão, foi responsabilizado pela má sorte após a morte de Robert, odiado por sua retaliação contra Janos Slynt e Pycelle e por seus seguidores mercenários e selvagens. Rumores sobre o incesto dos Lannister e a corrupção real em geral já haviam se espalhado pelas ruas; o ar saturado precisava apenas da faísca certa para explodir.
Quando explodiu, a fúria foi horrível de se ver. Sor Aron Santagar, o mestre de armas da Fortaleza Vermelha, foi espancado até a morte por quatro homens, enquanto Sor Preston Greenfield, da Guarda Real, foi retalhado e esfaqueado tão brutalmente que sua armadura branca ficou manchada de vermelho e marrom. O Alto Septão fora arrancado de sua liteira e despedaçado por membros da multidão, e a Senhora Lollys Stokeworth fora estuprada nas ruas por vários homens. Nove Mantos Dourado foram mortos pela multidão, enquanto mais 40 da Patrulha da Cidade foram feridos nos combates; o número de plebeus mortos não foi registrado, mas provavelmente foi muito maior.
Não foi registrado entre os mortos, porém, o jovem Tyrek Lannister. Presumivelmente, "Ama de Leite" estava na "longa comitiva de outros cortesãos" atrás da liteira do Alto Septão, formada no final da procissão real. Esse posicionamento explicaria por que foi Horas Redwyne, também naquele grupo, quem informou que Tyrek não havia retornado. Tyrion, assumindo o comando logo após o tumulto, ordenou a Jacelyn Bywater, seu novo Comandante da Patrulha da Cidade, que encontrasse seu primo desaparecido:
Tyrek continuava desaparecido, tal como a coroa de cristais do Alto Septão. Nove homens de manto dourado tinham sido mortos, e havia quarenta feridos. Ninguém se incomodara em contar quantos haviam morrido entre a multidão.
– Quero Tyrek, vivo ou morto – Tyrion disse secamente quando Bywater se calou. – Ele não passa de um garoto. Filho do meu falecido tio Tygett. O pai sempre foi bom para mim. (ACOK, Tyrion IX)
Com a confusão e o caos do tumulto, não surpreende que Tyrek Lannister tenha se perdido. Sua aparência óbvia de Lannister e sua associação com a família real pode ter tornado Tyrek um alvo fácil para os manifestantes. Se ele fosse tratado com tanta brutalidade quanto Sor Preston ou Sor Aron, seu corpo poderia nunca ter sido encontrado entre os muitos mortos.
No entanto, o que é insatisfatório nessa explicação simples é o foco que o desaparecimento de Tyrek é dado por vários livros, muito depois que os incêndios na Baixada das Pulgas foram extintos. Em três momentos distintos, Tyrek e o mistério de seu desaparecimento após o tumulto são expressamente mencionados, muito embora nenhum personagens presentes pareça ser capaz de determinar o destino do pobre escudeiro.
O primeiro momento ocorre durante A Tormenta de Espadas. Tyrion, tentando uma reunião com seu pai (a nova Mão), encontra Sor Addam Marbrand na escada. Um cavaleiro bastante talentoso e amigo de infância de Jaime Lannister, Addam havia sido nomeado o novo comandante da Patrulha da Cidade, mas sua primeira tarefa provou ser um fracasso:
– Você vem dos aposentos de meu pai? – perguntou.
– Venho. Temo não tê-lo deixado no melhor dos humores. Lorde Tywin acha que quatro mil e quatrocentos guardas são mais do que suficientes para encontrar um escudeiro perdido, mas seu primo Tyrek continua desaparecido.
Tyrek era filho do falecido tio Tygett, um rapaz de treze anos. Desaparecera no tumulto, não muito tempo depois de se casar com a Senhora Ermesande, um bebê de peito que calhava ser a última herdeira sobrevivente da Casa Hayford. E provavelmente a primeira noiva na história dos Sete Reinos a enviuvar antes de ser desmamada.
– Também não fui capaz de encontrá-lo – confessou Tyrion. (ASOS, Tyrion I)
Pode ou não ser verdade que Sor Addam enviou todos os quatro mil guardas da cidade à procura do jovem Tyrek, mas o tamanho de sua força-tarefa em potencial só fez com que o fracasso em encontrar essa relação Lannister fosse maior – e mais intrigante. Sor Addam é um comandante respeitado, mas ninguém na capital era capaz de revelar maiores informações sobre o paradeiro de Tyrek, ou mesmo mais detalhes sobre o que aconteceu com o escudeiro Lannister durante o tumulto - um fato tornado mais notável em face da autoridade emanada por Addam. Lorde Tywin Lannister manifestou sua intenção de encontrar seu sobrinho, porém nem mesmo a mágica de seu nome conseguiu extrair mais uma gota de informação daqueles que poderiam saber sobre Tyrek.
É verdade que, durante a rebelião de Robert, Jon Connington não conseguiu extrair informações do povo de Septo de Pedra: ele havia oferecido subornos e ameaçado com punições, mas as pessoas se recusavam a revelar onde Robert Baratheon estava escondido na cidade. No entanto, lorde Tywin tinha uma reputação muito mais pavorosa do que Lorde Jon.
]Tywin não tinha vergonha de anunciar sua brutal extinção dos Reynes e Tarbecks por seu desafio aos Lannisters; alguns dos portorrealenses podem até se lembrar do Saque no fim da rebelião de Robert, quando os homens de Tywin mataram crianças na rua e estupraram mulheres em suas casas. Se os portorrealenses mentissem agora e fossem flagrados na mentira mais tarde, a retribuição que Tywin traria sobre eles e seus vizinhos seria implacável.
Então, por que ninguém deu a menor dica sobre o que aconteceu com Tyrek? Não há rumor de que ele teria sido morto (embora Bronn considerasse essa como a opção mais provável); em vez disso, Tyrek parece ter simplesmente sumido.
Mais tarde, o próprio Tywin enfatizou seu desejo de encontrar o filho de seu irmão em uma reunião do pequeno conselho:
– Dragões e lulas-gigantes não me interessam, independentemente de quantas cabeças tenham – disse Lorde Tywin. – Seus informantes terão por acaso encontrado algum rastro do filho de meu irmão?
– Infelizmente, nosso bem-amado Tyrek desapareceu por completo, pobre e bravo rapaz. – Varys parecia perto de rebentar em lágrimas. (ASOS, Tyrion III)
Pode-se questionar por que Tywin procuraria informações de Varys. Se milhares de policiais não puderam extrair o paradeiro de Tyrek daqueles que testemunharam o caos do tumulto, a próxima fonte de informação era naturalmente Varys e sua extensa rede de espionagem. O mestre dos sussurros pode não ser tão onisciente quanto muitos acreditam que ele é, mas seu catálogo de informantes é vasto e suas habilidades na coleta de informações são bem afiadas e praticamente inigualáveis.
Os plebeus podem relutar em admitir a oficiais sob a autoridade de Lorde Tywin que viram Tyrek assassinado e seu corpo destruído ou despejado no Água Negra, mas declarações casuais feitas em ambientes mais informais podem ser facilmente captadas por um agente da Varys e entregues ao mestre de sussurros. Era assunto oficial da coroa desde imediatamente após o tumulto encontrar Tyrek Lannister; era, ostensivamente, a responsabilidade premente de Varys coletar qualquer informação sobre esse ponto.
No entanto, embora Varys ostensivamente não tenha recebido informações, sua conduta nessa cena deve ser analisada. Não foi a primeira vez que Varys exibiu teatralmente uma tristeza dramática diante de um Lannister. Em A Fúria dos Reis, Tyrion organizou a prisão de Janos Slynt e seu exílio na Muralha, muito embora Slynt tivesse se recusado a revelar quem o havia ordenado a perseguir os assassinatos do bebê Barra e sua mãe. Após a cena com Slynt, Tyrion teve a seguinte conversa com Varys:
– [...] Foi a minha irmã. Foi isso que o Ah... tão... leal Lorde Janos se recusou a dizer. Cersei enviou os homens de manto dourado àquele bordel.
Varys sufocou um riso nervoso. Então, ele sempre soubera.
– Não me havia contado essa parte – Tyrion disse, acusadoramente.
– A sua querida irmã – Varys respondeu, tão desgostoso que parecia perto das lágrimas. – É duro contar isso a um homem, senhor. Tive receio de como receberia a notícia. É capaz de me perdoar? (ACOK, Tyrion II)
Mais uma vez, Varys conhecia um segredo que a Mão Lannister não conhecia. Encurralado para revelar a verdade ou passar uma mentira plausível, Varys optou por lágrimas dramáticas para transmitir uma sensação de pesar real à situação em ambos os casos. Suas habilidades na pantomima não haviam desvanecido, apesar de seus anos fora da profissão: como um pantomimeiro perfeito, Varys estava utilizando uma distração em sua demonstração de tristeza para desviar as atenções do público das questões prementes reais apresentadas a ele.
O truque não funcionou em nenhum dos dois homens - Tyrion insistiu em maior transparência do mestre dos sussurros, e Tywin estava pronto para "expressar a sua óbvia insatisfação" antes de ser desviado por Kevan - mas o fato de Varys usar a mesma tática duas vezes, diante de público similar, pode sugerir que Varys está mais uma vez privando os Lannisters de um segredo e que ele sabe exatamente o que aconteceu com o jovem Tyrek.
A conversa de Marbrand com Tyrion, no entanto, não seria a última vez que o herdeiro de Cinzamarca comentaria o caso do desaparecimento de Tyrek. Ao partir da capital, Jaime Lannister levou seu amigo de infância consigo. Permanecendo como convidados em Hayford - o assento brevemente ocupado por Tyrek - Addam falou o seguinte sobre a situação:
– Eu mesmo liderei uma busca, por ordens de Lorde Tywin – interveio Addam Marbrand enquanto tirava as espinhas de seu peixe –, mas não descobri mais do que o Bywater antes de mim. O rapaz foi visto pela última vez a cavalo, quando a força da turba quebrou a formação de homens de manto dourado. Depois disso... Bem, sua montaria foi encontrada, mas o cavaleiro não. O mais provável é terem-no derrubado e matado. Mas, se foi assim, onde está o corpo? A multidão deixou os outros cadáveres no local, por que não o dele? (AFFC, Jaime III)
Addam Marbrand levanta um ponto importante. Os corpos de Santagar e Greenfield foram descobertos mais tarde - mutilados, quase a ponto de não serem reconhecidos, mas identificáveis ​​-, sendo que a multidão não faz nenhuma tentativa de descartar os dois, que eram obviamente funcionários da corte. Certamente, o castigo pelo assassinato de um Lannister, primo em primeiro grau do rei (assumindo que a multidão soubesse quem Tyrek era), seria terrível. No entanto, o assassinato alguém de nascimento nobre como Santagar, ou um cavaleiro da Guarda Real, provavelmente também levaria terríveis punições.
As multidões de tumultos estavam em um estado caótico, mais em busca de sangue do que em fazer cálculos frios sobre suas vítimas, e com Tyrek não teria sido diferente. Por que apenas o corpo de Tyrek seria descartado de maneira tão completa que não restava nenhum vestígio dele?
Lyle Crakehall, outro homem do oeste na companhia de Jaime, fez a seguinte observação:
– Ele teria sido mais valioso vivo – sugeriu Varrão Forte. – Qualquer Lannister traria um robusto resgate. (AFFC, Jaime III)
O pensamento, no entanto, foi rápida e efetivamente descartado por Marbrand:
– Sem dúvida – concordou Marbrand –, e no entanto nunca houve um pedido de resgate. O rapaz simplesmente desapareceu. (AFFC, Jaime III)
Mais uma vez, Marbrand foi direto ao cerne da questão. Bronn havia observado anteriormente a oferta de Varys de uma “bolsa gorda” pela devolução de Tyrek, e sem dúvida Marbrand também acreditava que o eunuco mestre de espionagem tornara pública a oferta. Havia muitas oportunidades para os portorrealenses ganharem dinheiro com o desaparecimento de Tyrek, mantendo-o como refém quando a revolta estourou ou, posteriormente, alegando conhecimento do destino de Tyrek (talvez colocando a culpa pelo assassinato em vizinhos detestados).
No entanto, não havia um pingo de informação que pudesse revelar o que aconteceu com o escudeiro Tyrek. Uma gorda bolsa Lannister raramente falhara em soltar línguas antes, mas mesmo assim os rumores do destino de Tyrek não puderam ser arrancados dos habitantes da Baixada das Pulgas.
No comentário de Marbrand, Jaime fez sua própria conclusão - que os portorrealenses, tendo matado Tyrek, jogaram seu corpo no rio por medo da ira de Tywin - mas isso é insatisfatório, mesmo para o próprio Jaime. Por um lado, Tywin não estava na capital na época do tumulto e não retornaria até a Batalha do Água Negra. Na verdade, os portorrealenses poderiam temer o retorno de Lorde Lannister, mas o corpo de Tyrek teria que ser destruído durante o tumulto (uma vez que Tyrion enviou uma equipe de busca para ele logo ao retornar à Fortaleza Vermelha), fazendo do medo de Tywin uma motivação improvável.
Aprofundando-se na questão, Jaime avaliou o que Tyrek poderia representar:
Mas, mais tarde, sozinho no quarto de torre que lhe fora oferecido para a noite, Jaime deu por si com dúvidas. Tyrek servira o Rei Robert como escudeiro, ao lado de Lancel. O conhecimento podia ser mais valioso do que o ouro, mais mortífero do que um punhal. Foi em Varys que pensou então, sorrindo e cheirando a lavanda. O eunuco tinha agentes e informantes por toda a cidade. Seria coisa simples arranjar as coisas de forma que Tyrek fosse capturado durante a confusão... desde que soubesse de antemão que era provável que a turba entrasse em tumulto. E Varys sabia de tudo, ou pelo menos era isso que gostava de nos fazer acreditar. Mas não deu nenhum aviso a Cersei sobre esse tumulto. Nem desceu aos navios para se despedir de Myrcella. (AFFC, Jaime III)
Pode parecer óbvio demais que o destino de Tyrek nos seja transmitido através dos pensamentos internos de Jaime. Jaime certamente tem todos os fatos sobre o Tyrek aqui, mas o importante a se notar é que Jaime falha em juntar as peças. Ele sabe que Tyrek era um escudeiro, sabe que Lancel também era escudeiro, sabe que Lancel efetuou o plano de assassinato de Cersei, sabe que Varys poderia ter arrebatado Tyrek - mas depois para de pensar no assunto.
O monólogo interno de Jaime pode ser comparado à chance de Arya ouvir a trama entre Varys e Illyrio nos porões da Fortaleza Vermelha em A Guerra dos Tronos. De certa forma, é muito coincidente e direto - os leitores conseguem obter um ponto de vista dos dois conspiradores astutos discutindo abertamente seus planos acerca dos Targaryens exilados - mas porque Arya é apenas uma criança, não uma ladina, seu relatório da conversa é confusa e gentilmente descartada por Eddard. Jaime pode adivinhar que Tyrek pode ser útil, mas o modo como Varys poderia usá-lo está além do desejo ou habilidade analíticos de Jaime.
A evidência não resulta em uma conclusão simples. Todos os membros desaparecidos da comitiva real haviam sido devolvidos à Fortaleza Vermelha ou tiveram seus corpos encontrados - exceto Tyrek. Uma busca realizada após o tumulto não conseguiu encontrar mais do que o palafrém de Tyrek. Uma enorme força-tarefa da Patrulha da Cidade não fez nada para dissipar o mistério em torno do desaparecimento do garoto. Varys, o especialista em espionagem, parece ter deliberadamente ocultado informações que recebeu sobre Tyrek. Para onde o garoto poderia ter ido?
Pode ser que Tyrek não tenha sido assassinado nas ruas da Baixada das Pulgas – mas que ele esteja, de fato, vivo e escondido, sob os cuidados de Varys.

O Leão na teia da Aranha

O fato de Varys ter usado o motim em Porto Real para seqüestrar o jovem Tyrek parece uma conclusão possível, até mesmo provável. É improvável que Varys tenha planejado todo o tumulto em Porto Real - as pessoas estavam com fome e raiva o suficiente para não necessitarem de preparação -, mas uma instigação sutil poderia levar os portorrealenses a se aglomerarem nos pontos desejados, dentro dos quais Varys ou seu agente na multidão poderiam arrebatar Tyrek e o colocar sob custódia da Aranha.
Se ele era de fato o mentor por trás do tumulto, Varys havia improvisado uma hábil pantomima. A mulher com a criança morta que interrompeu a procissão real fora colocada na curva de uma rua morro acima; a comitiva real não apenas se moveria devagar, mas o fim da comitiva ficaria fora de vista. É provável que a mulher e o homem que jogaram sujeira em Joffrey tenham sido plantados, colocada em posição de detonar o conhecido pavio curto de Joffrey.
A mulher que se encaixa no gosto de Varys pelo teatral; e o atirador de estrume também parece obra dele, uma vez que a sujeira foi jogada de cima de um telhado. Previsivelmente, Joffrey enviou seu "cão" para a multidão para mutilar as pessoas obedientemente e assim, como era de se eseperar, a multidão de pessoas famintas e espumando tomou a brutalidade de Sandor Clegane como incentivo para retaliar. Plantando cuidadosamente seus agentes, Varys poderia garantir que o tumulto começasse na frente do desfile real, permitindo que o rei de repente corresse perigo a fim de distrair o sequestro de Tyrek na parte de trás da procissão e antes da curva do Caminho Lamacento.
O que Varys iria querer com Tyrek? Primeiro, Tyrek tem uma forte direito de sangue a Rochedo Casterly. Embora esteja agora distante do lugar em que nasceu, Tyrek saltou algumas posições desde então. Lorde Tywin está morto, Jaime inelegível por conta de seu manto branco e Tyrion, um regicida condenado e um traidor, está há dois continentes de distância de seu assento ancestral. Cersei, a Dama de Casterly Rock, está esperando para ser julgada por incesto, adultério e regicídio; ela provavelmente terá sucesso no julgamento, mas seu domínio sobre a coroa permanece tênue. Depois de Cersei e seus filhos viria Kevan Lannister, mas Sor Kevan foi recentemente assassinado - por ninguém menos que o próprio Varys. O filho de Kevan, Lancel, se tornou religioso após a Batalha do Água Negra, renunciou ao assento em Darry para se juntar aos Filhos do Guerreiro, ao passo que Willem foi assassinado por Rickard Karstark; seu irmão gêmeo Martyn e o pequeno Janei permanecem vivos, embora o paradeiro deles seja desconhecido. O próximo reclamante seria o próprio Tyrek.
Varys precisa de um herdeiro Lannister, para estabelecer uma nova ordem política em Westeros. Por quase duas décadas, Varys e Illyrio criaram o jovem Aegon como o príncipe ideal, futuro Senhor dos Sete Reinos, um salvador glorioso para resgatar o reino do caos. A invasão estrangeira, no entanto, pode ser apenas uma parte dessa nova conquista de Aegon: qualquer conquistador bem-sucedido (especialmente um sem dragões) exige o apoio da nobreza local para não apenas derrotar seus inimigos, mas estabelecer um regime viável para o futuro.
Dorne parece preparado para apoiar o principezinho “Targaryen”: posando como filho de Elia Martell, Aegon parece pronto para incitar muitos dorneses, já inquietos, a agir contra a odiada dinastia Lannister. O próximo e ousado investimento de Aegon em Porto Real garantirá sua posição como conquistador das Terras da Tempestade, e pelo menos dois poderosos senhores da Cmapina - e um número incerto de "amigos" - parecem prontos para se juntar à sua causa.
Para o resto dos Sete Reinos, no entanto, Varys precisará formular um plano de ataque diplomático. Tyrek, um Lannister do Rochedo, um legítimo Lorde leão (assim que algumas peças forem arrancadas do tabuleiro), pode servir como um fantoche útil para ganhar as Terras Ocidentais para o futuro Aegon VI.
É claro que, para sentar o jovem Aegon no Trono dos Reis Dragão, Varys precisa derrubar o rei-criança Tommen (e se desfazer da princesa Myrcella). A hoste que o príncipe de Varys estava liderando nas Terras da Tempestade será um forte punho de aço para defender seu ponto de vista, mas Varys também precisa da luva de seda de embasamento legal para arrancar a coroa de Tommen de seus cachos dourados.
A tática mais óbvia (e verdadeira) seria provar que Tommen e Myrcella eram bastardos nascidos do incesto, sem qualquer pretensão ao Trono de Ferro, assim como qualquer outro westerosi. Sua bastardia já era um boato comum em todo o reino, graças a Stannis, mas para encerrar a discussão, Varys precisava de alguém que pudesse oferecer provas.
Tyrek esteve com o rei, possivelmente o acompanhou a bordéis e viu seus bastardos de cabelos pretos como Barra. Além disso, Tyrek poderia testemunhar o papel que Lancel desempenhou ao provocar a morte de Robert, minando ainda mais a posição de Cersei. Cuidadosamente treinado por Varys, Tyrek poderia prestar testemunho que arrebataria a herança de seus primos, abrindo caminho para Aegon restabelecer a dinastia Targaryen.
Então, uma vez que Tommen e Myrcella fossem denunciados como bastardos, Tyrek permanece como a escolha ideal para ser nomeado Senhor de Casterly Rock por seu agradecido novo rei Aegon VI (Martyn e Janei apresentariam um desafio dinástico, mas considerando que Varys não tinha escrúpulos em assassinar o pai deles [Kevan], parece improvável que ele permita que esses pretendentes rivais também vivam). Desconectado dos escândalos dos Lannister em Porto Real, Tyrek é um candidato atraente para governar o oeste e se tornar parte da nova ordem westerosi de Aegon.

Conclusão

Em 1999, George RR Martin ofereceu esta breve e tentadora opinião sobre Tyrek Lannister:
RMBoye: Pergunta simples, de verdade - será que vamos descobrir o que aconteceu com o "Ama de Leite", Tyrek?
George_RR_Martin: Sim, você vai. Tento não deixar muitas pontas soltas. Mas às vezes é preciso aguardar.
Talvez os comentários dele devam ser feitos com mais do que um grão de sal; afinal, na mesma entrevista, ele insistiu que o crescimento dos livros pararia no sexto. Talvez já tenhamos visto Tyrek, no jovem bonito, com a bolsa de dragões de ouro, que Arya nota ter morrido na Casa de Preto e Branco. Talvez a Navalha de Occam esteja correta aqui: que Tyrek foi morto no tumulto sangrento e que os manifestantes jogaram seu corpo no rio para evitar o castigo severo que os Lannisters e a coroa provavelmente lhes causariam.
No entanto, o assassinato por um plebeu desconhecido, ou uma morte inexplicável na catedral de um culto de assassinos, parece uma revelação ruim para a qual o autor precisaria aconselhar termos paciência. De fato, parece mais provável que Tyrek esteja de fato vivo e que Varys tenha os meios, motivos e oportunidades para arrancá-lo da capital e segurá-lo para seus próprios usos.
Somente Os Ventos do Inverno servirá para mostrar se Tyrek retornará com o suposto Aegon VI e ocupará seu lugar em Rochedo Casterly. No entanto, o mistério absoluto em torno do desaparecimento de Tyrek continua alimentando especulações, e os leitores podem tentar prever como é que esse escudeiro de menor importância dos Lannister retornará à narrativa de modo grandioso.
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2019.12.21 10:29 xoxo612 Assombrada pelo sonhos de outras pessoas (que um dia foi meu)

Hoje foi a gota d'água. Sonhei a noite inteira com uma prima que passou na EsSA (Escola de Sargento das Armas) e acordei aos prantos. Vamos a uma parte sordida da minha vida. Quando estava terminando o E.M cismei que queria ser militar, meu pai me apoiou totalmente e me colocou num cursinho preparatório perto de casa. Passei um ano e meio lá, não aprendi quase nada, ou seja, não passei. Naquele ano, fiz 4 concursos: AFA, EFOMM (sonho Inicial), ESsA e EEAr. Não passei em nenhum deles. ( 2015 até metade de 2016). Não desisti e disse que gostaria de tentar outro curso. Então, saímos eu e ele a procura e encontramos um cursinho que parecia ser foda. No início eu não curti, impliquei com o curso, mas depois de uns 3 meses, tive certeza de que foi a melhor escolha da minha vida. O curso era incrível. Eu estava extremamente focada em sanar minhas dúvidas e fazer muitos exercícios, como estava muito próximo das últimas provas, e eu tinha pouco tempo de preparação, mais uma vez não passei. Fiquei puta, mas não desisti. Queria aquela porra daquela farda, tinha que ser minha. Início de 2017, voltei pro curso em Janeiro, com sangue nos olhos. Um dos professores me elogiou em sala pela minha força de vontade e o bom desempenho nos exercícios. Chegou o primeiro concurso... AFA. Levei bomba. Não fiquei muito chateada pq sabia que era um dos concursos militares mais difíceis e eu não estava preparada para tal. Segundo concurso... EEAr. APROVADA e CLASSIFICADA. PQP. Chorei muito. Lembro do dia até hoje. Era uma noite quente de terça-feira, eu estava me preparando para dormir. Ainda não tinha visto o resultado. Estava com medo. Olhei das matérias que eu tinha mais dificuldade. Havia tido um bom desempenho, olhei o restante e vi que tinha passado. Sentei no chão do meu quarto e só chorei. Não tava acreditando naquilo. Meus esforços foram recompensados. Meu pai me ouviu chorar e veio saber o que era, falei, ele chorou também. Naquele dia eu não consegui dormir, estava em êxtase. Melhor dia da minha vida.
Quarta de manhã, volto pro curso e mantenho minha aprovação em segredo, faltavam mais 2 concursos para o ano terminar pra mim. Mas eu já estava tão feliz que passei a me dedicar para a parte física da EEAr. Corria todos os dias de manhã com o meu pai, fazia as flexões, abdominais e etc. Depois ia para o curso e estudava. Na parte da noite era hora de cair na piscina. Passei 2017 assim. Estava no auge. Cheguei a pesar 69kg com 1.70 (hoje 100kg). Chegou o dia da 1° Concentração, tudo pronto. Dia normal, correu tudo bem. Meus exames estavam marcados para o dia seguinte. Acordei as 3 da manhã, meu pai me levou até o CEMAL (que é onde os aprovados fazem os exames de saúde) passei o dia lá. E tive de voltar um dia depois para fazer o restante. O último exame foi o mais difícil pra mim, e assim que terminou, desconfiei que não tinha sido aprovada. Exame oftalmológico. Tenho miopia e astigmatismo. E uma das etapas do exame era sem óculos. Não enxerguei NADA. Só vultos. Uma semana depois, veio o resultado. Não passei. Mas tinha como recorrer. Meu pai me levou até uma clínica oftalmológica e o medico, inicialmente disse que eu poderia fazer a cirurgia refrativa. E passou uns exames para ver se estava tudo bem comigo. Foi aí que ele diagnosticou Ceratocone. Tava fodida. Nunca que eu ia passar no exame da Aeronáutica e nem poderia fazer a cirurgia. Chorei pakas. Passei uma semana chorando. Veio o dia do recurso, estava esperançosa. Despedi-me do meu pai e entrei no consultório, fiz a mesma porra de exame... Sabia que não tinha passado.
Resultado do recurso: inapto. Nem preciso dizer que chorei. Meu mundo tinha acabado ali. Fiz os dois últimos concursos do ano e não passei. Mas eu ainda tinha UMA ULTIMA CHANCE (por causa da idade) 2018, volto para o mesmo cursinho preparatório, faço amizades com umas garotas que gostam de estudar, em especial uma que tenho uma consideração foda até hoje. Nós fazíamos provas anteriores todos os dias. Fazíamos mais de 100 exercícios ao dia, e depois revisavamos. Tivemos bastante tempo para nós prepararmos. São 2 provas da EEAr por ano. Primeira prova... Aprovada. Mas não classificada. Ficaram 12 pessoas na minha frente. Blz. Segunda e última prova... Reprovada por uma questão... No início daquele ano, fiquei sabendo que 2 primas minhas conseguiram seguir carreira militar, uma no EB e a outra na MB. E naquela altura, geral ja tava sabendo do que aconteceu comigo, e aí começou "fulaninha passou, tadinha, tinha estudado tanto. Mereceu muito". "Ciclaninha tá bem encaminhada, vai até casar com um militar" Ouvi coisas pparecidas até da minha mãe " Viu? Sua prima se dedicou de verdade. Tá fazendo Medicina e você aí". Minha vida virou uma bosta. A merda mais fedida que eu já senti. Engordei 30kg, chorava todos os dias puta por achar que foi o destino que me passou a perna. Meu pai parou de falar comigo pq acha que gosto de viver nessa melancólica e desistiu de mim. Minha relação com a minha família não é a mesma. Acho que querendo ou não estou descontando isso no meu namorado que daqui a pouco vai meter o pé (e não posso e nem vou culpa-lo) Sinto que me tornei uma pessoa rude, chata e pessimista. Antes esses problemas estavam controlados, hoje, eles estão no controle. Até hoje não consegui me recuperar. Todos os dias vou lá na página do concurso e fico olhando as notícias. Quando passo de ônibus perto dos quartéis, viro o rosto com uma tristeza imensa no coração. É isso, tá aí um pouco da minha história de merda. FOI MALZ PELO TEXTAO!
submitted by xoxo612 to desabafos [link] [comments]


2019.01.11 15:41 Dimitri_Vladvostok O caçador de segredos [longo e bastante amador]

Eu quero fazer uma confissão. Não tenho ninguém que seja elegível a ouvir o que tenho a dizer, por isso vou jogar esse relato no confins da internet anônima antes que eu finalmente deixe de existir...o que não é de tudo ruim.
Tenho um dom, algo que você já deve ter visto ou ouvido falar de alguma forma similar, e provavelmente era falso. Mas comigo é verdade, infelizmente. Sabe aquele negócio de enxergar as ‘’auras’’ das pessoas? Pois então, eu não vejo auras, mas as ‘’camadas’’ delas. Vou explicar melhor. Cada pessoa tem suas ‘’informações’’ guardadas dentro dela. Essas informações são sua história de vida, fraquezas, qualidades, gostos, desgostos, segredos, memórias, sentimentos, etc. Cada uma dessas informações tem um certo grau de confidencialidade, e são divididas entre camadas, onde as coisas mais superficiais e ‘’visíveis’’ ficam na camada mais externa, e os segredos e características mais profundas ficam nas camadas internas. ‘’Pessoas são como cebolas’’ é o que costumo dizer, graças a isso.
Durante a vida conhecemos uma quantidade incontável de pessoas, e cada uma delas sabem uma certa quantidade sobre você, e vice versa. Cada uma sabe até uma certa camada da sua pessoa, e você, conhece diferentes camadas de diferentes pessoas, geralmente quanto mais próximo, mais profundo. A questão é que consigo ver isso no mundo real, de forma telegrafada, (agora que domino essa habilidade) no momento que quiser. Mas não pense que isso é algo bom não, é exatamente por causa disso que estou escrevendo esse texto, e contando o que aconteceu.
Desde que comecei a sair da adolescência e entrar para a vida adulta tive muito empenho em ajudar os outros e ser gentil, me faz me sentir útil aos outros, mais vivo. Talvez porque nunca experimentei esses valores durante a infância, mas isso não vem ao caso. É um episódio que ficou para trás, e não vou desenterrar ele. Graças a essa boa atitude, conheci muita gente, e lentamente graças a algumas dessas pessoas fui perdendo minha timidez. Me tornei um bom ouvinte, aprendi a conversar e ser uma pessoa mais adorável de se ter perto. Li vários livros sobre esse tema, e a coisa mais importante que aprendi foi que a coisa que todo ser humano mais anseia é a apreciação. Todo mundo quer ser apreciado, ouvido, gostado pelos outros. A sensação de ser importante é como uma droga, e nós alimentamos os outros com ela por meio de conversa e linguagem corporal. Existem diversos pequenos sinais (visíveis e subconscientes) que lhe mostram que alguém está interessado no que você está dizendo ou fazendo, sendo um ouvinte ativo, pela postura amistosa e interessada, no olhar.
Por entender isso, passei a virar parceiro de conversa de muita gente. Muitas vezes falava com alguém que considerava somente um mero colega, aquele que você se dá bem mas não para chamar no aniversário, e essa pessoa começa a contar sobre sua vida ou algum problema, algo pessoal. Então eu entro em um estado de ‘’woah porque ele tá falando isso?’’ e tento meu melhor para ajudar.
Quando completei meus 18 anos algo mudou, um dia qualquer eu acordei com a visão toda embaçada, pensei ter ficado parcialmente cego ou algo do tipo, depois de um certo pânico tudo voltou ao normal. Mas eu estava sozinho em casa aquele dia, minha família havia ido viajar a negócios e só voltava no fim de semana. Nessas horas meu contato humano é bem escasso, gosto de ficar em casa sozinho fazendo tudo que dá na telha, com o silêncio e somente os sons que eu mesmo produzo. Quando saí na rua, já estava vendo as pessoas daquela forma: No peito de cada um havia um círculo, como se estivesse pintado em seu corpo. Claro que inicialmente foi um choque, apesar de ler um pouco sobre misticismo e pessoas com ‘’dons’’ não levava isso completamente a sério. Saí na rua e comecei a observar as pessoas, e todas tinham esse padrão. Até que encontrei um amigo no caminho, e ele era diferente. Haviam três círculos, cada um após o anterior um pouco mais para dentro e menor. Fiquei olhando pra aquilo feito um bobo a ponto de nem me lembrar de cumprimenta-lo, até que voltei a realidade quando o mesmo me chamou alegremente para dar oi. Voltei pra casa, pesquisei sobre isso, nada. Nem nos fóruns mais malucos onde lunáticos claramente inventam superpoderes e acontecimentos havia algo sequer similar a isso.
Dias depois, quando encontrei meus pais, notei que eles tinham também esses círculos, mas ainda mais que o meu amigo, e mais profundos. Como não sou tão bobo, finalmente percebi a lógica disso. Eram pessoas mais próximas, comecei a comparar a quantidade dos círculos de cada um com coisas sobre eles, até que cheguei no ponto: Grau de conhecimento sobre a pessoa.
Depois de meses aceitando e até mesmo ignorando esse curioso caso que agora afetava minha vida, tentei achar alguma utilidade boa para isso. Comecei a participar de comunidades de ajuda, prevenção ao suicídio, coisas assim. Na minha cabeça, se eu tivesse essa vantagem de saber o quanto eu já sabia sobre cada pessoa que estava em um caso perigoso, junto com minha tendência a ajudar e conversar bem, poderia lidar melhor com cada um se baseando nessa margem. Se eu já enxergasse fulano com vários círculos depois de algumas conversas, saberia que tenho bastante informação para trabalhar, e poderia ajudar e dar conselhos com base no que sabia, porque era tudo verdade. Como uma ‘’confirmação’’ de que estava tudo certo.
Tudo ia muito bem, me convenci de que isso era mais uma bênção que só um evento aleatório. Até que involuntariamente comecei a usar isso na minha vida. Nos meus amigos. Nos meus parentes. Havia essa amiga, Vamos chama-la de Ms. Ms e eu éramos amigos de um bom tempo já, conversámos muito e se dávamos incrivelmente bem. Depois que ganhei esses olhos (É como passei a chamar minha habilidade), percebi que ela tinha 3 camadas. Fiquei contente até, como já disse antes, foi uma confirmação de quão ‘’confiável’’ eu era.
Não.
3 camadas, pelo que observei com o tempo, é o nível ‘’amigo’’. Na vida, 95% das pessoas com quem você faz amizade serão amigos, e somente 5% serão os amigos mesmo. Aquelas pessoas com quem você pensa em chamar e conversar, que você vai além do small talk ou de conversa oportuna em um momento social, aquela pessoa que você confia. Esses são os 5%.Sinceramente, nunca tivesse interesse algum em pessoas que não fossem dos cinco. É como se elas só enchessem um vazio que precisava ser preenchido porque a sociedade manda você ter muita gente e interagir o tempo todo. É como se tudo que fizesse com essas pessoas fosse artificial, mais como um trabalho que como algo genuíno e voluntário. Acontece que, eu considerava Ms. Uma pessoa do grupo de amigões, baseado em vários dias e conversas pessoais, etc. Nos entendíamos, assim como era com algumas outras poucas pessoas, que ao contrário dela, tinham mais camadas. Toda vez que aparentemente atingíamos um nível diferente, seja falando sobre um problema ou história, pessoalmente, nada mudava. Eu ainda enxergava as 3 camadas.
Confesso que tenho um certo vício nisso. Em ser apreciado, confiado, importante. Agora, percebo que grande parte das coisas que eu fazia eram pela recompensa, onde eu no fundo não dava a mínima para a pessoa em si, só pela sensação, a gratidão. E enquanto por um lado isso não faz diferença para a pessoa, pois tecnicamente ainda sou algo positivo para elas ajudando, o caso muda quando sinto que perco essa importância. A complacência imediata para o que der e vier se converte lentamente em apatia, pois sendo franco, aquele indivíduo não me servia mais.
Com o tempo isso começou a acontecer com Ms, pois fiquei cheio de nada nunca acontecer, e esse mistério de aparentemente estarmos bem mas meus olhos dizerem o contrário. Mas deixamos essa história de lado por enquanto.
Graças aos olhos, também comecei a detectar mentiras ou irregularidades nas pessoas quando conversávamos. Em algumas ocasiões, em algum momento quando me falavam algo mais pessoal, considerado uma camada mais funda que o normal, nada mudava. Eu metodicamente categorizei cada tipo de informação de acordo com seu grau de camada visível, baseado em quando tal informação foi contada e a mudança imediata de camada na pessoa. E por causa disso, segundo o padrão, nessas situações seus círculos deveriam imediatamente aprofundar em um nível, pois havíamos atingido uma nova fase. Mas não, não acontecia. Então ou era mentira, ou irrelevante. Mas aí é que está! Ela contava como se fosse algo importante. O que indicava segundas intenções, e quase nunca estive errado sobre isso.
Meu pai. Ele só tinha quatro camadas. Isso significa conhecimento sobre gostos e hábitos, e opiniões. Mas isso é superficial, não pode ser o máximo que você tem com seus pais. Deus, eu tinha amigos dos 95 mais profundos que ele! Comecei a me questionar se era porque mentia muito para mim (ou nós, como família) ou se simplesmente não falava nada mesmo. Comecei a puxar assunto com o velho, querer saber das coisas, virar ‘’amigo’’ mesmo dele. Nada. Certo dia, enquanto ficávamos sentados na varanda tomando café e conversando, tentei me puxar para as histórias de família, infância, até conhecer minha mãe, etc. E ele falou bastante coisa, a maioria eu já sabia, mas absolutamente nada aconteceu. Eu queria saber o que havia de errado com ele. Eu queria saber o que me levaria a chegar mais fundo nele. E eu nunca percebi o quanto errado eu estava agindo, como não me importava com ninguém, como minhas buscas eram egoístas e sem empatia pelos outros. Decidi olhar seu celular, o bobão usava a mesma senha para absolutamente tudo. Entrei no seu e-mail, abri seu whatsapp até as primeiras conversas do telefone, Messenger, tudo. Ele falava com muita gente. A grande maioria eu não faço ideia de quem sejam. Descobri que ele tem aquele hábito de tiozão grotesco que mexe no facebook, fica indo em privado de mulheres novas e atraentes, falando aquelas frases horríveis de cantada como se fosse um iludido galanteador dos anos 90. Minha espinha doía lendo aquela vergonha alheia, nem cheguei a pensar na parte de isso de certa forma ser traição.
‘’Como está o garoto?’’‘’Passou direto, esperto como o pai’’
‘’ainda bem que ele puxou a cabeça, não a cara! Hahahha’’
‘’enfim, quando você vem ver ele?’’
O desgraçado tinha outra família escondido. Eu não faço ideia como, vasculhei um pouco o perfil dessa mulher e aparentemente o filho dela tem uns 7 anos. Isso significa que foi durante o casamento, na metade dele, na verdade. Eu só queria ver ele pessoalmente naquela hora. Eu queria contar camada por camada, quantas haviam surgido naquele filho da puta. SETE. SETE. Ele achou que eu estava drogado quando comecei a olhar para o peito dele e contar em voz alta, olhos arregalados e uma cara de maníaco, até ir para o quarto. Aquilo era extremamente bem escondido e pessoal. Se fosse um mal entendido não poderia passar de sei lá, cinco. Mas não, Sete camadas. Eu havia acertado seu ponto fraco, e iria fazer bom uso dele.
Depois de muito tempo isolado com meus pensamentos de o que diabos eu iria fazer, comecei a revirar minhas memórias, analisar a tabela de camadas e como nada ali batia, como tudo provavelmente era mentira ou irrelevante, comparado a tudo que ocorria por baixo dos panos.Lembrei das vezes que os dois discutiam, e um certo evento se destacou dos outros. Enquanto o pai berrava sobre algum motivo de discussão imbecilmente aleatório como de costume, minha mãe, mais exaltada que o normal, solta ‘’Vai voltar a fazer igual antes? Tu começa de novo que vai direto para a cadeia’’. Eu não estava exatamente no local, para ser sincero estava no meu quarto, jogando, pouco me fodendo para ambos. Aquilo deu um click na minha cabeça, eu queria cavar mais a fundo isso. Então meu alvo era a mãe. Resumindo a história, ele tinha o excelente hábito de agredir. Principalmente quando bebia, algo que acontecia quando as vendas não iam bem.
Eu denunciei ele. O miserável me expulsou de casa antes de ir preso, obviamente. Arrumei um teto graças a alguns amigos e estava me virando, valeu a pena. Fiz testemunho, disse o que ouvi, forcei ela a dizer a verdade. Não foi difícil, mãe nunca foi a pessoa com grande QI. Na verdade eu estava fazendo um favor a ela se livrando desse lixo humano. Mas não, não estava pronto ainda. Eu conhecia alguém que estava preso por aqui também. O cara foi uma das pessoas que ‘’ajudei’’ nos tempos sombrios nos grupos de ajuda. Ele era um drogado, roubava qualquer pessoa sem dar a mínima, e para não ter peso na consciência, visitava o centro para contar que ‘’errou’’ e se arrependia. Pra mim era só uma desculpa para não se sentir um completo filho da puta, o que é ainda mais egoísta que roubar. Enfim, acontece que ele se dava muito bem comigo, afinal ele só queria algúem para ouvir suas lamentações e ir embora antes da polícia aparecer (não que eu tenha alguma vez chamado).
Como ele terminou preso? Foi pego, obviamente. Mas teve a feliz ideia de tentar bater no policial para fugir, e obviamente piorou mais ainda. Acontece que esse cidadão e meu velho iriam ficar temporariamente presos juntos, quem diria? Eu fui visitar esse velho amigo, dar umas risadas e tirar ele um pouco desse ambiente decadente sem esperança. E claro, pedir um favor. Contei para ele tudo que meu pai fez, com alguns comoventes detalhes, e conforme ele ia se identificando com a situação e falando que passou por algo parecido. Opa, mais uma camada! Fui moldando a história para ficar mais coincidente com a dele, afinal vale tudo para se ter apreciação e lealdade. Disse para ele dar uma surra no velho. Era o que eu mais queria fazer mas não era capaz. Ele disse para não se preocupar, a ‘’vida’’ iria dar o troco. Depois disso eu já sabia que meu trabalho estava completo.
Ele _Morreu_. Ele bateu tanto no velho que ele morreu. Hemorragia interna, sei lá. Algo importante (pra ele só) parou de funcionar. A parte boa foi o feriado que ganhei com isso. Consegui ganhar algumas boas partidas no Rocket League. Mãe, depois de me deserdar na família por aparentemente ter destruído a mesma (curiosamente ela _perdeu_ camadas depois disso), ligou pedindo se eu não iria. Respondi que precisava de 6 camadas para atender o pedido e desliguei.
Percebe como todo esse negócio foi saindo do controle? Eu estava me tornando um monstro, fissurado nessa maldição de camadas, saber demais e ser extremamente egoísta. Mas tristemente não foi o fim. Eu ainda tinha uma vida meio que andando. Tinha muitos amigos genéricos com quem poderia as vezes contar.
Conheci esse cara novo que começou a trabalhar comigo no setor de automação, e depois de umas semanas juntos, no demos muito bem. Era alguém muito quieto, notei que praticamente só falava _mesmo_ comigo. Trabalhei bastante em me aprofundar nele. Queria saber qual terrível falha ele tinha. Todos tem. Achar elas era meu hobby. Depois de um bom tempo nisso, me conta que fez a cagada de trair a namorada, com quem muito provavelmente iria casar. Eles terminaram por isso, mas já estava naquela putaria de ‘’estou brava mas quero voltar’’, sabe? Ah, mas que ironia. Mas um adúltero. Mas como esse era gente boa no geral, decidi só ‘’ajudar’’ ele mais uma vez. Voltar não era uma boa ideia, nunca iria se perdoar, iria lembrar do acontecido toda vez que olhasse para ela. O melhor seria partir para outra, e fazer ela achar isso também o certo. Claro, com um empurrãozinho. Fomos em um clube para maiores. Bebi pra krl, nem lembro direito como voltei. Mas não fiquei bobo antes de completar a missão: ele acabou ficando com 3, pegou ali mesmo, uma zona sem tamanho. Obviamente acabaram gravando, o vídeo se espalhou porque alguém saiu mandando pra geral, e virou até notícia. ‘’Noivo diz que não quer voltar fazendo vídeo com acompanhantes’’. É, foi um belo estrago. Mas ele ainda não acha que foi culpa minha, afinal foi a coisa certa. Só teve o infortúnio de sair de dentro daquele recinto.
Mas isso não ficou de graça não, ele me fez pagar, querendo ou não. Em um dia aleatório, enquanto trabalhávamos, conversando sobre nosso amigos, caímos sobre um colega em comum. Eu sempre imaginei que ele era do tipo espertalhão sacana, que é gente boa quando não custa nada mas muda se a coisa começa a custar algo para ele. Ou não pensa em ninguém quando tem chance de se dar bem, independente de se vai ferrar os outros. Nada fora do normal, estava quase no piloto automático falando com o rapaz.
‘’Mas ele é muito filha da mãe, tá pegando a Ms, e fica saindo sem pagar por aí com ela toda hora. Ainda fica com várias outras! Ele não perde uma hahaha’’
Era isso. Eu era só um otário tendo serventia. Ela me alimentava com qualquer merda para que continuasse orbitando ao redor, e ajudando. Fizemos dezenas de trabalhos de faculdade que ‘’precisavam ser entregues no dia e te contei como quem não quer nada’’ e nunca tinha tempo para fazer nada. Realmente, desse jeito não sobra tempo. Isso não iria ficar assim.
Eu lembro exatamente de como me senti naquele dia, me sentia traído, manipulado, fraco. É um grande choque quando se está muito tempo acostumado a ter tudo sobre controle. Devido a estar o tempo todo com aqueles olhos, não podia enxergar que o sacana da história era eu, não tinha nada de errado ali.
Lembro-me que ela falava muito sobre o carro. Pelo que entendi era parte muito importante da vida dela, tanto para trabalhar quanto pelo tanto de histórias que ele tinha e foi parte. Era um bom lugar para investir. Afinal, esse povo me acertava no lugar mais fraco, mentir sobre minha apreciação e importância, nada mais justo que acertar no lugar mais fraco deles também. Pesquisei bastante sobre motores, parte elétrica de carros, felizmente a internet tem conteúdo praticamente infinito, onde você aprende tudo o que quiser, basta procurar. Aprendi a superaquecer o motor. Com isso, com azar (ou sorte para mim) o carro também solta resíduos, que quando tocam alguma parte muito quente do veículo pode entrar em combustão. E para tirar o variável ‘’talvez’’, teria um pouco mais de óleo que o normal. Sem precisar de muito contexto, passei o fim de semana na casa da família dela. Durante a madrugada, depois de todo mundo beber excessivamente e desmaiar nos cantos da casa, peguei a chave do carro e fui fazer uma pequena inspeção. Preparei tudo conforme o planejado, estava tudo pronto. Já havia avisado a Ms que precisaria sair cedo no outro dia. Como combinado, de manhã já estava de pé e estávamos saindo. Todo mundo ainda dormia, ou pra ser mais exato, estava em coma alcóolico. Acho incrível como as pessoas gostam de beber tanto, só pra ficarem mais idiotas e morrer por algumas horas no dia seguinte. Enfim, ela foi para o carro, eu disse que só iria pegar a bolsa e ela já poderia ir ligando o carro.
Ouvi o motor dando a partida, os sons fora do normal e estranhos, levando a um grito de susto até chegar nos pedidos de ajuda. Com toda a pressa do mundo fui ajudar, mas já era tarde demais. O carro tinha virado um bloco gigante de carvão, e não tinha nem mesmo como pegar o extintor lá dentro. Ligamos para os bombeiros e tudo terminou ‘’bem’’. Ela parecia um cadáver. Não falava com ninguém, parecia que tinha perdido um parente. ‘’Bem feito’’ era o que eu dizia pra mim mesmo.
‘’Eu venci.’’
Até agora não sei o que eu venci. Era uma guerra? Uma disputa? O que exatamente eu ganhei com tudo isso? Sinceramente agora nada faz sentido. Se eu soubesse tudo isso, mas sendo outra pessoa, acho que iria matar ela. Mas sou eu, eu fiz tudo isso. Nas últimas semanas antes de ter um colapso mental tive alguns dias me sentindo o soberano, o rei. Havia até achado uma nova pessoa para explorar, e tinha começado a dar os primeiros passos.
Me olhei no espelho, e pela primeira vez percebi algo que esteve o tempo todo ali: Eu só tinha uma camada. O que diabos isso significa? Eu não me conheço?
Comecei a estudar sobre meditação, introspecção e coisas do tipo. Comecei a gastar horas meditando e refletindo, criei gosto por isso. Passei a entender alguns dos motivos pelos quais me sentia mal, por exemplo. Em dado momento surgiu mais uma camada. Quando cheguei a conclusão que eu iria ferrar de uma forma ou outra com a próxima pessoa também, não importasse o que acontecesse. Nessa hora percebi que realmente tinha a ver com o quanto eu me conhecia. E isso significava que eu não sabia _NADA_ sobre mim. Passei a questionar até que ponto eu me iludia das coisas que eu fazia, até onde meus ideais estavam certos. Vendo matérias sobre sociopatas, aprendi que eles também não enxergam o valor nas pessoas, elas são irrelevantes na escala emocional e afetiva. E caramba, eu estava pensando assim! Quanto mais parava para pensar mais me aprofundava nesse espiral de realização de que era uma escória para todos. Fazia reflexões e tirava conclusões sobre meus hábitos, como eu estava passando dos limites em cada situação e não tinha remorso, e em toda nova conclusão, uma camada brotava no meu peito. Eu nunca pensei que entender a mim mesmo fosse a coisa mais aterrorizante de todas.
Agora, que estou sozinho, isolado em um lugar escondido, longe de todos que afetei, espero meu fim. Não quero causar mais nada a ninguém, não quero ver suas camadas, não quero existir. E aqui chegamos ao fim, não sei quando ou onde você acabou lendo isso, mas não se preocupe, provavelmente tudo isso não vai passar de mais uma história absurda em um fórum anônimo.
Pessoas são como cebolas, quanto mais camadas tocar, mais você chora.
submitted by Dimitri_Vladvostok to rapidinhapoetica [link] [comments]


2019.01.09 23:19 rockie1d Acabei de perder a minha mãe aos 17 anos.

Boas! Isto aqui vai ser uma espécie de desabafo, desde já peço desculpa pois não sou nenhum expert no Reddit então se isto tiver algum erro ou estiver mal formatado peço desculpa..
A minha mãe já estava a sofrer há muito tempo então isto não foi nenhuma surpresa, foi sim surpresa quando cheguei ao Hospital pronto para a ver após uma complicada cirurgia e ela já estava completamente apagada, ligada às máquinas e o médico disse que não iria passar desta noite... Não me despedi dela enquanto viva e dói me muito.
O que mais me dói não foi ver ela partir pois ela já sofria há bastante tempo mas foi sim saber que vou ter a minha vida toda a minha frente e ela não vai estar lá para a assistir, este ano é um dos mais importantes da minha vida, tenho os exames finais, acabo a escola, vou para a universidade, vou a uma viagem fora do País em visita de estudo, viagem de finalistas, tirar a carta de condução, simplesmente fazer 18 anos, eu já tinha prometido a mim mesmo que quando tivesse a carta a ia levar a jantar fora todas as semanas.... Não consegui. Além disto nunca lhe vou poder apresentar lhe uma namorada, não me vai ver a casar, a ter netos, não vai estar mais presente em mais nenhum jantar de festas, Natal, Ano Novo...
Neste momento não tenho motivação para nada mal entro num quarto com uma foto dela vêm me as lágrimas aos olhos, doeu também muito á minha família, ela tem 4 irmãs e várias amigas que se emocionaram e muito no funeral... Eu chorei tudo no Hospital e sei que se ela estivesse a ver "berrava me" logo se estivesse a chorar, ela sofreu muito mas nunca a vi a chorar na minha vida.
O meu Pai está muito mais calmo, ele já sabia o que aí vinha e até encara isto como uma coisa positiva pois sabe que ela não sofrerá mais.. Como já disse também levo isso pela positiva mas não deixa de doer nem um bocadinho... Ele diz que ao voltar a minha rotina e mover a vida para a frente a dor vai acabar por passar, eu não sei, neste momento não tenho vontade de viver nem um bocado, não tenho motivação para nada.
Em conclusão digo que isto foi desabafo escrito agora no meu telemóvel sem pensar, e aconselho a todos os que têm os vossos pais ou pessoas muito próximas de vocês a estarem com elas e agradecerem todos os dias por essas mesmas pessoas.
Obrigado e desculpem qualquer erro.
Edit: Obrigado a todos os que puderam deixar uma mensagem e alguns conselhos nem que pequenos que me fizeram ser mais corajoso e levar a minha vida para a frente! Certamente irei fazer isto e tentarei me tornar numa pessoa que a minha mãe se orgulhe no futuro, não tenho dúvidas que apesar de não estar presente ela está me a vigiar, obrigado também a todos os que me enviaram mensagem privada, e que me deixaram desabafar com eles, dentro de alguns meses tentarei fazer um post ao estilo de um update para saberem como tenho passado, todas as dificuldades que tive e como as enfrentei, mais uma vez obrigado a todos :)
submitted by rockie1d to portugal [link] [comments]


2018.05.09 02:57 porco-espinho A menina que mudou minha vida. (E ela provavelmente nem sabe disso)

Tô meio reflexivo nos últimos dias e também estou tentando melhorar minha escrita, então juntando o útil ao agradável, está saindo esse desabafo.
Antes queria falar sobre o que eu acho de mim mesmo, pra dar algum contexto. Acho que minha melhor qualidade é a falta de orgulho, e o fato que sou muito egoísta, sempre me coloco a frente de qualquer outra coisa ou pessoa. Juntando os dois eu acabo sendo alguém que sempre está do lado do time que está ganhando. Mudo de posicionamento e de opiniões como se fosse cueca, muitos me acham hipócrita, provavelmente estão certos. Também sou bom em influenciar pessoas, sempre consigo que as pessoas a minha volta, tenham as ideias que eu acho certas.
Com o contexto criado, vamos à história, tudo começou quando entrei no colegial. Eu odiava escola, sempre fui aquele aluno mediano, mas puxado pra zuera, não estava na lista dos três piores alunos da sala, mas meus pais tiveram que ir na escola algumas vezes. Desde o fundamental eu carreguei comigo um amor pela matemática, era minha matéria preferida, sempre ia bem nela (em física também), mas em todas as outras eu era uma aberração, sempre mendigando arredondamentos pra somar a nota mínima e passar de ano, recuperações e provas substitutivas eram parte do meu cotidiano.
A escola que eu estudava era grande, tinham várias turmas do mesmo ano, é era comum as turmas se comunicarem pra trocar trabalhos e tarefas. Em uma dessas, no meu segundo ano, acabei pegando o MSN da Luiza (nome fictício), uma garota de outra turma que tinha pego o mesmo tema que eu. Adicionei é fui pedir o trabalho para copiar, ela foi muito educada comigo mas negou, não me passou, nem deu uma desculpa, só falou que não ia passar e mudou de assunto. Fiquei meio perdido, não esperava aquilo, já tinha feito várias vezes e sempre conseguia no final, mas ela foi diferente, me deu várias dicas de como fazer o trabalho, mas não me deu ele pronto. Acabei tendo que fazer, não entregar ele significava que eu não teria mais chance alguma de passar direto naquela matéria.Depois disso, passei a conversar com Luiza frequentemente, as vezes na escola mesmo, mas normalmente pelo MSN, ela sempre me ajudava com algumas tarefas do gênero.
Nesse ponto eu preciso falar mais sobre Luiza, ela sem dúvidas estava no top3 das meninas mais bonitas do meu ano, mas ela namorava um cara do terceiro ano. Ela era a menina super dedicada, filha de um casal de professores, ela era a detentora do melhor boletim do ano, era a garota que todos os professores amavam. Totalmente certinha e perfeitinha é a melhor definição que tenho pra ela nesse momento. O tempo foi passando, e mantive esse contato com ela, aliás ela sempre me ajudava, quando eu realmente precisava fazer algum trabalho.
Românticamente meu segundo ano foi bem legal até, tive alguns rolinhos característicos dessa idade, mas nada sério, só ia levando. A coisa melhora logo depois que acaba o ano letivo. O terceiro ano vai fazer a tradicional viagem de formatura e o namorado de Luiza decide que queria aproveitar solteiro. No momento não passou nada pela minha cabeça, só segui minha vida e segui conversando com ela, mas agora as vezes as conversas se alongavam por horas e começaram a ficar mais frequentes.
Quando começou o terceiro ano eu tinha certeza, precisava me aproximar mais dela, era mina única chance. Mas eu não sabia como ela poderia se interessar por mim, eu era só o garoto que tinha problema com as notas, bom em matemática e viciado em jogos de PC e ela era perfeita.
Não tenho muito o que comentar nesse ponto, as coisas foram seguindo naturalmente, até que um dia, aconteceu e tentei beijar ela. Para minha surpresa, fui correspondido, e a Luiza me beijou de volta, foi o início do nosso namoro. Foi uma época mágica, eu realmente fiquei apaixonado por ela e me sentia correspondido. Ela melhorou minha vida em todos os aspectos, meu comportamento, minhas notas, minhas atitudes, minha responsabilidade, tudo influenciado por ela, eu já tinha mudado muito, mas ela ainda ia mudar muito mais em mim.
Mas com isso também vi o outro lado dela, o que antes eu achava uma menina brilhante, agora eu via uma menina dedicada. Ela não tinha facilidade nas matérias, mas sim estudava por incontáveis horas na sua casa, pra manter o nível de excelência. Realmente, não acho que nesses últimos 10 anos eu conheci outra pessoa tão dedicada quanto ela. Outro ponto importante é que é ela era muito sonhadora, com 17 anos ela já tinha a vida dela inteira programada, quando ia casar, quando ia ter um filho, quando ia trocar de emprego, realmente tudo, e eu estava inserido nesse sonho dela, mas eu via que claramente ela conseguiria fazer tudo aquilo sozinha.
Tivemos um ano incrível, terminamos o colegial juntos, tive notas de um aluno normal (e não de um idiota) até nossas famílias já se conheciam e se "gostavam", mas como todo recém formado, entramos pra faculdade. Eu fui fazer computação em uma faculdade da cidade e ela passou em um curso tradicional de humanas em uma faculdade na cidade vizinha. Como todo adolescente idiota eu conheci o mundo das festas da faculdade, primeiro semestre e eu estava sempre tentando ir pra festa, ela também entrou na onda, curtimos muito nos primeiros meses das nossas faculdades.
Só que eu precisava de mais, eu queria curtir aquilo ao máximo e nesse ponto Luiza passou a ser um problema pra mim. Não demorou muito pra tomar a decisão que eu precisava estar solteiro pra curtir aquilo ao máximo. Passei a colocar na cabeça dela que precisávamos terminar, pouco tempo depois tivemos o fatídico dia em que "juntos" chegamos a conclusão que seria melhor para os dois se terminamos. Mas a realidade é que eu já tinha todas as falas e todos os cenários programados na minha cabeça, só precisei fazer ela dizer as palavras, foi fácil eu conhecia ela muito bem.
Nesse momento eu sabia o que tinha feito e sabia que tinha trocado uma vida perfeita, com a menina perfeita e precisava fazer aquilo valer a pena, não importava o preço disso. Foi minha segunda era de ouro, eu curti muito, zuei muito, bebi muito, me droguei muito e segui a vida cheia de exageros. Sempre com o pensamento de que eu troquei a Luiza por aquilo, então eu precisava fazer valer a pena. Meus pais não são ricos, então pra sustentar meu estilo de vida, logo consegui um estágio em programação.
No estágio logo eu vi uma oportunidade pra ser efetivado, mas eu estava concorrendo com outros cinco estagiários, todos em anos mais avançados do que eu na faculdade. Nesse ponto o pensamento de Luiza sempre me voltava, eu precisava da vaga, pra provar pra mim mesmo que eu tinha feito a decisão certa. Em três meses de estágio fui efetivado, depois de muito estudar por conta é trabalhar praticamente o dobro do que era necessário. Levei muito a sério a ideia de Play Hard, Work Hard, essa era minha vida agora.
A história se repetiu mais algumas vezes, e tive uns ascensão bem grande em um curto tempo, tudo graças a Luiza. Nesse ponto ela passou a ser um ideal de vida pra mim, apesar de nunca mais ter tido muito contato com ela, era a lembrança de ter deixado ela, que me motivava à ir pra frente e pra cima. Eu queria provar pra mim mesmo que tinha feito a escolha certa.
Hoje já se passaram quase 10 anos desde que começamos a namorar, e vejo o quanto aquela menina me mudou e o quanto eu ainda colho frutos disso. Tive outros relacionamentos no caminho, mas nunca foram metade do que eu tive com aquela menina que não me ajudou com o trabalho de Geografia. Fui muito mais longe do que qualquer pessoa poderia imaginar, todo mundo sempre achou que eu tinha um dom ou algo especial, mas era bem mais complexo do que isso. Tenho hoje um salário maior do que um governador e participação em três empresas. Hoje Luiza já não é minha fonte de inspiração, mas sempre que dizer o quão importante ela foi na criação de tudo isso, na minha criação.
Desculpa, ficou muito longo, se alguém leu até aqui, obrigado mesmo! Digitei no celular então vou ainda dar uma re-lida e possívelmente editar alguns erros, mas todo e qualquer feedback será muito bem aceito.
Espero que você esteja feliz Luiza. Te desejo tudo de melhor, você é incrível.
submitted by porco-espinho to desabafos [link] [comments]


Qual a Hora Certa de Casar ?? Como Saber se Estou Pronto A Noiva Sabia Que Ele A Estava Traindo, Mas Esperou por ... COM QUE IDADE VOCÊ TERÁ O SEU PRIMEIRO FILHO? [ IncrivelMente Curiosa ] EU NÃO SABIA QUE ESTAVA DIVORCIADO!!!!!!!!!!! COMO ASSIM? Estou pronto pra Namorar? Eles iriam Forçá-la a se Casar com 10 anos,1 Semana antes Ela fez algo que Ninguém esperava! COMO VOCÊ ESTAVA HÁ 1 ANO ATRÁS? - 93 de 96 Como Saber se Esta Pronto pra Começar a Namorar Imagine Jolari-Casamento Arranjando Cap.4 Eu Descobri que Minha Namorada Costumava ser um Cara.

Casamento cristão: Como ela escolheu o homem certo para se ...

  1. Qual a Hora Certa de Casar ?? Como Saber se Estou Pronto
  2. A Noiva Sabia Que Ele A Estava Traindo, Mas Esperou por ...
  3. COM QUE IDADE VOCÊ TERÁ O SEU PRIMEIRO FILHO? [ IncrivelMente Curiosa ]
  4. EU NÃO SABIA QUE ESTAVA DIVORCIADO!!!!!!!!!!! COMO ASSIM?
  5. Estou pronto pra Namorar?
  6. Eles iriam Forçá-la a se Casar com 10 anos,1 Semana antes Ela fez algo que Ninguém esperava!
  7. COMO VOCÊ ESTAVA HÁ 1 ANO ATRÁS? - 93 de 96
  8. Como Saber se Esta Pronto pra Começar a Namorar
  9. Imagine Jolari-Casamento Arranjando Cap.4
  10. Eu Descobri que Minha Namorada Costumava ser um Cara.

Você se cobra demais? Sente-se frustrado ou incomodado com a sua vida atual? Sabia que nós temos memórias importantíssimas que podem ajudar você a alcançar seus resultados? Neste vídeo eu ... JN-Nunca Imaginei Que Ela Iria Ser Minha Noiva,Só Que De Mentira,Como Queria Casar Com Ela Para Sempre,e Não Casar Por 1 Ano!Depois De Tanta Conversa,Fomos Jantar,e Logo Depois Ficamos Todos ... Jeff estava pronto para se casar com ela. Até que ele descobriu ... Que ela é na verdade um cara! Surpreendente! E não se esqueça de nos enviar suas histórias de vida via e-mail para ... Nada Al-Ahdal, do Iêmen, tem apenas 10 anos, e tem como tradição como milhares de meninas a se casar com homens mais velhos. No entanto, essa brava menina ou... COM QUE IDADE VOCÊ IRÁ SE CASAR? ... IncrivelMente Curiosa 1,067,257 views. 7:48. O Que Você Vê Primeiro Revela a Verdade ... 7 TESTES PARA CONHECER A SUA PERCEPÇÃO E PERSONALIDADE ... Saber se você esta ou não pronto para um relacionamento é uma das perguntas mais importantes para qualquer pessoa, afinal de contas, é o seu futuro que esta em risco. Namoro Cristão - Como Saber se esta pronto para começar a namorar? Veja algumas perguntas que vão te ajudar a perceber se esta pronto ou se precisa se prepara um pouco mais, afinal, crente não ... Recebi uma pergunta de um seguidor que separado há muitos anos da mulher, surpreendeu-se ao saber que já estava divorciado. Segundo ele diz, nunca foi citado para a ação. Ali estava Sara, com seus noventa anos, amamentando o pequenino que lhe nascera. Como o Senhor Deus de Abraão era bondoso e fiel! Ele havia prometido ao seu servo um filho e cumpria a sua palavra. Para questões relacionadas a direitos autorais, entre em contato conosco: [email protected] TechZone https://goo.gl/5mT49h Às vezes, a vida de uma p...